musicas.mus.br

Letras de músicas - letra de música - letra da música - letras e cifras - letras traduzidas - letra traduzida - lyrics - paroles - lyric - canciones - FLORILéGIO - ANTONIO NóBREGA - música e letra

Utilize o abecedário abaixo para abrir as páginas de letras dos artistas

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

Florilégio letra


Eu com madeira vou cantar
Vou pra rua vou dançar com a multidão

O dia amanheceu azul
Azul tão lindo que me faz sonhar
Se eu fosse um poeta popular
Cantava as belezas desse dia sem voar
Mas como eu não tenho o dom do saber
Melhor esse dia esquecer
Mas se madeira aparecer
Eu não sei o que vai ser
O que vou fazer então
Eu com madeira vou cantar
Vou pra rua vou dançar com a multidão

E se aqui estamos cantando essa canção
Viemos defender a nossa tradição
E dizer bem alto que a injustiça dói
Nos somos madeira de lenha e o cupim não rói

Isso aqui ainda vai pegar fogo
Quando o frevo esquentar
Vou cair nesse passo de novo
Vou botar é pra quebrar

Isso aqui ainda vai pegar fogo
Quando o frevo esquentar
Vou cair nesse passo de novo
Vou botar é pra quebrar

Eu não vou embora nem por um milhão
Tá ficando bom agora eu daqui não saio não

Eu não vou embora nem por um milhão
Tá ficando bom agora eu daqui não saio não

Roda roda roda e avisa que a alegria explodiu no ar
O velho guerreiro sorrindo subindo subindo foi pro céu brincar
Roda roda roda que a vida é um sonho que vai terminar
E o bom palhaço não chora e vai embora sem explicar

Quem vai querer abacaxi banana e bacalhau
Olha a mãe do russo e a buzinada pro seu nicolau
Vem reviver toda alegria do seu carnaval
Alo alo teresinha aí que saudade do cassino do chacrinha

Desembaça aí desembaça aí nosso carnaval
O povo pede passagem não pode viver à margem não é marginal
Desembaça aí desembaça aí nossa grande festa
Vem dançar com o povo balançar de novo o chão da praça do poeta

Lá vem lá vem o bloco mas cadê o bloco já passou
Um bloco veloz feito um raio chamado sou eu teu amor

Lá vem lá vem o bloco mas cadê o bloco já passou
Um bloco veloz feito um raio chamado sou eu teu amor

Por onde ele passa sacode alegria vapor
Limão com cachaça na onda do frevo esquentou
Lá vem o bloco um bloco chega um bloco passa

É um raio que rompe que traça amassa espanta a dor
Lá vem, lá vem o bloco chamado sou eu meu amor

É um raio que rompe que traça amassa espanta a dor
Lá vem, lá vem o bloco chamado sou eu meu amor

Olha que isso aqui tá muito bom, isso aqui tá bom demais
Olha quem lá fora quer entrar, mas quem tá dentro não sai

Olha que isso aqui tá muito bom, isso aqui tá bom demais
Olha quem lá fora quer entrar, mas quem tá dentro não sai

Vou me perder, me afogar no teu amor
Vou desfrutar, me lambuzar nesse calor

E de fazer chorar, mas o dia amanhece ao ouvir o frevo acabar
Oh quarta-feira ingrata chega tão depressa só pra contrariar
E de fazer chorar, quando o dia amanhece obriga o frevo acabar

Quem é de fato um bom pernambucano
Espera um ano e se mete na brincadeira
Esquece tudo pois cai no frevo e o melhor da festa chega quarta-feira
Adeus adeus minha gente que já cantamos bastante
Recife adormecia
Ficava a sonhar ao som da triste melodia

Antonio Nóbrega - Letras

top 30 músicas

©2003 - 2020 - musicas.mus.br